Publicidade

Publicidade

26/01/2009 - 06:51

“O que as mulheres querem?”

Compartilhe: Twitter

Na capa da revista do New York Times, chamada para a reportagem “What Do Women Want“, de Daniel Bergner. “Uma nova geração de sexólogas pós-feministas está tentando descobrir o que desperta o desejo feminino”, escreve o editor sobre o conteúdo da reportagem. Bom tema (a matéria está em primeiro lugar entre as mais clicadas no site do jornal nova-iorquino). O título vem de uma reflexão de Freud: “The great question that has never been answered and which I have not yet been able to answer, despite my 30 years of research into the feminine soul, is, What does a woman want?”.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, sexo Tags: ,
22/01/2009 - 06:50

Compre comida de verdade

Compartilhe: Twitter

Sugestão de leitura: a reportagem “Comida de Verdade“, de Marcia Bindo, publicada na edição de fevereiro da revista Vida Simples. Com a ajuda de nutricionistas e especialistas em alimentação, Márcia percorreu supermercados e identificou sete regras importantes que ajudarão a simplificar futuras compras e a identificar de vez quais são os alimentos mais saudáveis das gôndolas. Abaixo, reproduzo a primeira regra que aparece no texto:

(…) 1- Coma comida (ou evite o que a sua bisavó não reconheceria como alimento) Trocando em miúdos: é muito mais interessante para sua saúde ingerir alimentos frescos e integrais, a boa e velha comidinha caseira, do que processados e industrializados. Por isso vale lembrar a época de nossos bisavós (ou até tataravós) e recuar no tempo há pelo menos 80 anos, numa época em que não havia tantos produtos para comer empacotados. Por quê? Bem, é que hoje existe uma penca de outras substâncias comestíveis com aparência de comida, como explica Michael Pollan em seu livro Em Defesa da Comida. O jornalista americano – e o mais recente guru da alimentação – fez uma extensa pesquisa sobre a mudança de comportamento alimentar ocidental nas últimas décadas. Colunista de gastronomia do New York Times, ele constatou que a preferência de consumo migrou drasticamente nos últimos anos dos produtos encontrados na natureza, como um singelo pé de alface, uma peça de alcatra e um suco de laranja, para os práticos alimentos embalados – o que ele chama, não sem polêmica, de comida de imitação. Entram nessa categoria lasanhas, tortas e sobremesas prontas, sucos e sopas em pó, nuggets e hambúrgueres que são uma moleza de preparar.

O ponto levantado pelo jornalista é que não sabemos mais ao certo o que estamos colocando da boca para dentro. Porque, para um alimento ou prato prontos durarem bastante na nossa geladeira ou despensa, são adicionados uma série de outros ingredientes que não fazemos a menor idéia do que sejam. Mas o pior mesmo, segundo Pollan, é que muitas doenças adquiridas pelos hábitos alimentares surgiram dessa nova dieta ocidental rápida de preparar, mas com superabundância de calorias e principalmente três perigosos ingredientes: açúcar, sal e gorduras, que nosso corpo tem uma predisposição a gostar e cujos sabores são difíceis de achar na natureza, mas são bastante comuns e abundantes em comidas processadas.

Daí que separar o joio do trigo nas gôndolas dos supermercados ficou uma missão quase impossível. Tanto é que uma pesquisa realizada entre dezembro de 2007 e janeiro de 2008 pelo Instituto de Pesquisas Ipsos mostrou que 49% dos entrevistados brasileiros têm mesmo a maior dificuldade em escolher e identificar alimentos saudáveis.

A boa notícia é que a própria indústria alimentícia começou um movimento para melhorar o perfil nutricional dos seus produtos. Um exemplo é a criação do Programa Minha Escolha, uma iniciativa global de representantes da indústria (que acontece em mais de 50 países, inclusive no Brasil) que estabeleceu critérios em relação às quantidades de quatro nutrientes: gorduras saturadas, gorduras trans, açúcares e o sódio (sal) – que, quando consumidos em excesso, causam doenças como diabetes, obesidade e problemas cardiovasculares, segundo a Organização Mundial de Saúde. Os produtos que têm quantidades controladas desses nutrientes recebem o selinho Minha Escolha em suas embalagens. Outro jeito de maneirar o consumo desses nutrientes em produtos industrializados é dar uma bela olhada no rótulo: os ingredientes aparecem primeiro na ordem de maior quantidade.

Uma tendência importante que está acontecendo em todo o globo é o renascimento da agricultura local e orgânica, que está aí para comprovar que é possível sim voltar a comer comida de verdade sem precisar voltar ao tempo da bisavó ou abandonar o supermercado – e a civilização. (…)”

Autor: - Categoria(s): Comportamento, saúde Tags: ,
21/01/2009 - 06:37

“Seu ninho está vazio?”

Compartilhe: Twitter
Autor: - Categoria(s): Comportamento Tags:
15/01/2009 - 06:50

Pais, filhos e as “boas maneiras”

Compartilhe: Twitter

Uma das matérias mais lidas no site do New York Times esta semana é “Making Room For Miss Manners Is a Parenting Basics“. Grosso modo, levanta a lebre do ensino de boas maneiras às crianças (ou, para usar um termo que saiu de moda, fala sobre a tarefa dos pais de “civilizar” o objeto da afeição deles). “Toda criança nasce adorável, porém é egoísta e se acha o centro do universo”. É trabalho dos pais ensiná-la “que existem outras pessoas, e que as outras pessoas têm sentimentos”. Boa pauta.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, psicologia Tags:
17/12/2008 - 06:56

Nu com a mão no bolso

Compartilhe: Twitter

“Modelos vivos” franceses querem aumento de salário. Acho justo. A matéria saiu no The Guardian.

Autor: - Categoria(s): Artes Plásticas, Comportamento Tags: ,
16/12/2008 - 06:27

De salto alto

Compartilhe: Twitter

Sapatos de salto alto dão poder às mulheres? Ou as constrangem? O London Times fez uma matéria sobre o assunto. Para isso, ouviu gente como Camile Paglia e Vivienne Westwood.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, Moda Tags: ,
09/12/2008 - 06:50

Nos EUA, mulheres estão bebendo mais

Compartilhe: Twitter

Uma reportagem que saiu na mais recente edição da New York diz mais ou menos o seguinte: “Cada vez mais mulheres estão bebendo e as mulheres que bebem estão bebendo cada vez mais”. É o espírito do tempo. Não sei se é um fenômeno reconhecível aqui no Brasil, mas é uma pauta que poderia ser investigada.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, sociedade Tags:
28/11/2008 - 06:25

Na academia e no trabalho (ao mesmo tempo)

Compartilhe: Twitter

A revista Time que chega hoje às bancas fez uma matéria sobre uma aparelho estranho: um estação de trabalho que vem acoplada com uma esteira de academia. Como diz a repórter (ironicamente, claro), com essa máquina podemos fazer, ao mesmo tempo, duas coisas que não gostamos: trabalhar e se exercitar. Neste vídeo dá para entender como o treco funciona.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, sociedade, Tecnologia Tags: ,
26/11/2008 - 06:15

O gigolô suíço

Compartilhe: Twitter

A história do gigolô que seduziu a mulher mais rica da Alemanha daria um bom filme, acho. Foi publicada pelo Times de Londres.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, sociedade Tags: ,
25/11/2008 - 07:17

Seu escritório tem um bom Porn Shui?

Compartilhe: Twitter

A Piauí finalmente liberou na web o texto “Pelada no palco“, de Diablo Cody. Vale a pena. São as “memórias” da roteirista de Juno, que conta como foi a experiência de participar da noite amadora num clube de strip-tease. “Eu nunca havia andado de moto nem feito aborto, terminara a faculdade em oito semestres certinhos e jamais roubara batom numa loja bacana. Eu era um saco, queridos. Podia sentir meu fogo apagando. Minha crise dos 25 anos pesou no estômago como um cheeseburger duplo. Essa é uma das razões para ter me dedicado ao strip-tease”, escreve. Foi com esse texto de Cody que aprendi a expressão “porn shui”, no seguinte contexto:

“Eu até gostava da agência de publicidade. Alguns dos benefícios de se trabalhar lá eram: grande variedade de chás normais e descafeinados, incluindo os sabores maçã e chá preto com laranja; conexão de internet de primeira, rápida como um coelho; um excelente Porn Shui.”

Um “excelente porn shui” significa que você pode navegar no trabalho por conteúdos pornográficos sem que ninguém perceba. É isso.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, sexo, sociedade Tags: ,
Voltar ao topo