Publicidade

Publicidade
16/03/2009 - 06:12

Uma música

Compartilhe: Twitter

Para começar bem a semana, “Once in a Lifetime“, dos Talking Heads. Ótima.

Autor: - Categoria(s): Música Tags:
16/03/2009 - 06:07

“Verdades pouco ditas no meio literário”, por Michel Laub

Compartilhe: Twitter

Circular:Sobre o crítico – Martin Amis diz que um dos problemas da crítica literária é que seu instrumento de expressão, o texto, é o mesmo usado pelo objeto de sua análise, diferentemente do que acontece na música, no cinema, nas artes plásticas, no teatro. Ou seja: ao decretar que um escritor não sabe escrever direito, o crítico no mínimo terá de fazê-lo numa prosa com algum sabor e algum brilho, o suficiente para não perder sua  autoridade e cair num certo ridículo. Para irritação dos críticos, que acham essas questões mundanas demais para serem discutidas nas esferas elevadas onde atuam, o fato é que todo escritor, ao ler uma resenha negativa de seu livro, instintivamente trata de avaliar o texto do seu algoz – e na imensa maioria dos casos, claro, chega a uma conclusão não muito lisonjeira a respeito.

 Sobre o escritor – Embora as honrosas exceções, que são em número muito menor que o anunciado, toda obra literária é autobiográfica. Não só naquele sentido geral e cômodo – “o que penso sou eu” ou “a forma como digo é como sou” –, mas diretamente mesmo: pessoas ao redor do escritor, fatos, cenas, sensações, é virtualmente impossível que isso não seja transportado, de uma forma ou de outra, com os devidos disfarces e perfumes, para dentro dos seus livros. Como esse escritor está sempre em busca de assunto, sua vida muitas vezes passa a ter uma função utilitária, num processo que John Updike definiu mais ou menos assim: até decidir se dedicar à literatura, o sujeito sofre as coisas de verdade, porque ainda tem tudo a perder; a partir do momento em que passa a ver nas experiências ruins uma possível matriz de ficção, não é muito difícil transformar “dor em mel”. Dá para acrescentar que, como ainda se acredita que esse mel será mais doce se houver mais dor, em alguns casos patéticos – juro que estou falando em tese, gente – o sofrimento passa a ser quase desejado.

 Sobre o escritor que é também crítico – Bem, aí a gente precisa se defender como pode, construindo meia dúzia de argumentos que justifiquem intelectual e moralmente as mesquinharias acima. Num ótimo ensaio que andou circulando há um ou dois anos, Zadie Smith disse algo interessante sobre T.S. Eliot, segundo quem a personalidade do autor não interessa, ou, num resumo mais grosseiro, texto e autor são inconfundíveis. Pergunta Zadie: será que Eliot não dedicou seu enorme talento para defender essa tese, entre outras razões, porque em sua biografia constava o fato de ter abandonado a própria mulher num hospício?”

(Michel Laub, lá no ótimo blog dele). Para ilustrar o post, óleo sobre tela de Serban Savu.

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
13/03/2009 - 07:32

Uma coleção de pôsters de mágicos

Compartilhe: Twitter

Inexplicavelmente, sempre gostei de mágicos. Por isso, esta coleção de pôsters me pareceu interessante (não sei se são de fato dos anos 20, 30 e 40 ou se fazem parte do trabalho de algum talentoso ilustrador contemporâneo). O conjunto pode interessar aos artistas gráficos. Acima, três exemplos. (Dica do Silvio Herbas).

Autor: - Categoria(s): Design, ilustração Tags: ,
13/03/2009 - 07:27

Nos Estados Unidos, revistas começam a aceitar anúncios nas capas

Compartilhe: Twitter

Uma discussão jornalística para os novos tempos: revistas americanas começam a permitir que a capa, antes intocável editorialmente, seja um suporte para peças publicitárias. É uma “emblemática mudança de padrões na aceitação da publicidade”, diz este texto (em inglês) do New York Times. Vale dar uma lida. Acima, a capa da edição de fevereiro da Esquire, que causou polêmica justamente por ter, segundo alguns, cruzado a linha entre o conteúdo publicitário e o editorial. Bom debate.

Autor: - Categoria(s): Jornalismo, publicidade Tags: ,
13/03/2009 - 07:17

Hugh Hefner vende casa por 27.995.000 milhões de dólares

Compartilhe: Twitter

Hugh Hefner, criador da revista Playboy, está vendendo sua casa por US$ 27,9 milhões. Fica bem perto da Mansão Playboy, informa o Los Angeles Times. O Wall Street Journal de hoje também noticiou. Acima, o jardim. Tem mais fotos aqui e aqui.

Abaixo, algumas capas vintage da publicação criada por ele (e o próprio Hefner entre algumas coelhinhas):

Autor: - Categoria(s): arquitetura, casa Tags:
13/03/2009 - 07:07

“Duro de Matar”: só as cenas de fogo

Compartilhe: Twitter


Die Hardererer (Bootleg Edition) by Nicholas Chatfield-Taylor from Nicholas Chatfield-Taylor on Vimeo.

“Duro de Matar”, “Duro de Matar 2” etc. Só as cenas de fogo. Edição bem bolada. (Dica do Paulo M.)

Autor: - Categoria(s): Cinema Tags:
13/03/2009 - 06:53

Uma animação

Compartilhe: Twitter

Uma animação: “A Revolução dos Carangueijos” (em francês, com legendas em inglês). Dica da Pat Mendes.

Autor: - Categoria(s): animação Tags:
13/03/2009 - 06:40

Snoopy: completo

Compartilhe: Twitter

É provável que você já saiba, mas eu só soube hoje: é possível ler online todas as tiras que Charles Schulz fez da turma do Snoopy e do Charlie Brown. Acima, tira de 11 de outubro de 1950.

Autor: - Categoria(s): HQ Tags:
13/03/2009 - 06:30

Caninos brancos

Compartilhe: Twitter

O blog de “fotos grandes” do Boston Globe publicou uma série de imagens sobre as tradicionais (e invernais) corridas de cachorros que puxam trenós da região do Alasca. É uma coleção de imagens interessantes.

Autor: - Categoria(s): fotografia Tags:
13/03/2009 - 06:20

Uma música

Compartilhe: Twitter

Para começar bem o fim de semana, um som clássico dos Buzzcocks: “Ever Fallen In Love?“.

Autor: - Categoria(s): Música Tags:
Voltar ao topo