Publicidade

Publicidade
30/09/2008 - 06:29

Mercado financeiro: o olhar de Hollywood

Compartilhe: Twitter

Hollywood sempre teve uma visão mais cínica sobre o mercado financeiro americano, lembra esta matéria publicada pelo USA Today. Para não perder o gancho — no momento em que a bolsa de Nova York registrou a maior queda de sua história — o jornal sugere dez filmes sobre o tema que merecem ser vistos. Acima, Michael Douglas como Gordon Gekko, em “Wall Street“, de Oliver Stone, um dos que está na lista de sugestões. Dei um google rápido e peguei um trecho do roteiro, uma fala de Gekko que parece bem atual (o filme é de 1987):

“The richest one percent of this country owns half our country’s wealth, five trillion dollars. One third of that comes from hard work, two thirds comes from inheritance, interest on interest accumulating to widows and idiot sons and what I do, stock and real estate speculation. It’s bullshit. You got ninety percent of the American public out there with little or no net worth. I create nothing. I own. We make the rules, pal. The news, war, peace, famine, upheaval, the price per paper clip. We pick that rabbit out of the hat while everybody sits out there wondering how the hell we did it. Now you’re not naive enough to think we’re living in a democracy, are you buddy? It’s the free market. And you’re a part of it. You’ve got that killer instinct. Stick around pal, I’ve still got a lot to teach you.”

Autor: - Categoria(s): Cinema Tags:

Ver todas as notas

12 comentários para “Mercado financeiro: o olhar de Hollywood”

  1. C. Brayton disse:

    A revista Fortune já recicla essa matéria pelo menos uma vez por ano. Para mim, a longametragem independente “The Boiler Room” com Giovanni Ribisi (acaba de passar no TeleCine aqui) merece mas atenção como retrato mais realista sobre o nexo entre o corretor e o vigarista naquela cultura.

  2. Marcelo disse:

    Greed is right, greed works.

  3. xicotinho de ouro disse:

    VOU TRADUZIR MAIS OU MENOS PRA QUEM ESTÁ INTERESSADO E NAO CURSOU CCAA… (que blogueiro mais preguiçoso, heim!).

    “Os 1 por cento mais rico desse país é dono de metade das riquezas, 5 trilhoes de dolares. Um terço deste montante vem do trabalho pesado, os outros dois terços são heranças, juros sobre juros acumulando-se para viúvas e filhos idiotas. e o q faço eu? (aqui tô meio na dúvida) estoque e especulação imobiliaria. É uma merda. Você tem 90% do povo americano com nada ou qse nada de valor liquido. Eu nao crio nada. Eu sou dono. Fazemos as regras, amigo. AS noticias, a guerra, a paz, fome, motins, o preço de um clipe de papel. Escolhemos aquele coelho fora do chapéu enquanto todo o mundo senta lá fora tentando imaginar como diabos fizemos isso. Agora você não é bastante ingênuo para pensar que estamos vivendo em uma democracia, é amigo? Ele é o mercado gratuito. E você é uma parte dele. Você tem aquele instinto assassino. Fique, colega, eu ainda tenho muito o q te ensinar”.

    DE NADA.
    Abs.

  4. DORI EDSON SILVEIRA disse:

    XICOTINHO, apenas uma correção na sua tradução: ao invé de “mercado gratuito”, leia-se: “livre mercado”, de resto assistir o Michael Douglas é sempre prazeroso, valeu pela indicação do filme Ricardo !

  5. ianaí disse:

    Acordei ouvindo em meus sonhos esta música:
    Os sonhos mais lindos sonhei
    De quimeras mil um castelo ergui
    E no teu olhar
    Tonto de emoção
    Com sofreguidão
    Mil venturas previ
    O teu corpo é luz, sedução
    Poema divino cheio de esplendor
    Teu sorriso prende, inebria, entontece
    És fascinação, amor
    Os sonhos mais lindos sonhei
    De quimeras mil um castelo ergui
    E no teu olhar
    Tonto de emoção
    Com sofreguidão
    Mil venturas previ
    O teu corpo é luz, sedução
    Poema divino cheio de esplendor
    Teu sorriso prende, inebria, entontece
    És fascinação, amor

    Pior do que o que estamos fazendo com a natureza
    Ao abraçarmos tão ávidamente esta cultura consumista
    Pior do que o que estamos fazendo ao supervalorizarmos o banal
    È O QUE ESTAMOS FAZENDO COM O AMOR

    PS. Acordei agora, 4:30, vou postar esta mensagem, no maior número de páginas que puder, até as 6:30, ao sair para o trabalho.
    Consciente que poucos a lerão, e se lerem, pouca importância darão.

  6. joão romão disse:

    XICOTINHO, mais uma correção na sua tradução: ao invé de “estoque e especulação imobiliaria”, leia-se: “ações e especulação imobiliaria”

  7. Sandro disse:

    Sou um simples e pacato cidadão, mais da para entender que os “tubaroes de 1%” na jogatina da roleta financeira se dram mal desta ves. Os ditos paizes emergentes cumpriram suas normas, ditadas pelo fmi. Mas quem diata as normas para os tubaroes. Eles nao tem do men piedade, sao implacaveis na mordida. E agora que a mordida é neles ? o que fazer a nao ser morder o povo americano ! mais imposto mais dinheiro para a cirando recomeçar. mais 700, é o que vem mais…

  8. Mauro Guereiro disse:

    Xicotinho:

    Bullshit é uma expressão que significa enganação. Bosta de boi tem volume por fora e é cheia de ar. Sem conteúdo. Valeu?
    apenas uma colaboração.

  9. Osório disse:

    Xicotinho.

    Não é preguiça, é pedantismo. Obrigado pela tradução.

  10. Renato Montezano disse:

    Concentracação de riqueza(nao nececessariamente de renda) e crise bancaria foram dois ingredientes basicos da depressao de 30. Porque ambos advem da ganancia sem limites(tipica de geracoes que esquecem as licoes passadas). Pode ocorrer, sim, outra grande depressao.

  11. Hareton Tadeu Brisola Vieira disse:

    Sabe o que me espanta na verdade ? é essa voracidade que existe hoje pelo ser , pelo poder , a coisa parece estar chegando a um limite que se não chegar a uma catastrofe
    total, haverá de se repensar um novo modelo
    economico global ( ja que hoje a globalização
    é fatal ), e talvez ainda mudar os valores ,
    porque o ouro e os papéis guardados em garantia
    a essa roda financeira no caso da fome “global”não nos servirá para nada ,para nada.ou poderemos come-los ?

  12. Hareton Tadeu Brisola Vieira disse:

    Sabe ? Eu ouvi uma coisa um dia que sempre conto a pessoas não é de minha autoria mais vou escrever p/aqui.
    Tendo em vista estas situações onde o homem coloca o mundo e seus habitantes o Rei chamou
    duas pessoas para fazer uma previsão sobre o nosso futuro , o ” oitimista ” é o “pessimista”
    pois bem , o Rei perguntou primeiro ao otimista
    e o mesmo respondeu ; ó a situação não vai ser boa se continuar assim no futuro nós teremos que comer merda ( desculpe quem está no café
    da manhã )oh ! disse o Rei , que diria então o
    pessimista ? Assim chamou o pessimista, ao ser noticiado da resposta do otimista e indagado ele respondeu…. “olha a merda não vai dar prá todo mundo”…… por isso peço aos senhores dirigentes do mundo vamos repensar nossa terra talves ainda haja tempo !!!!!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo