Publicidade

Publicidade
28/07/2008 - 07:17

Medpedia, uma “Wikipedia” feita por médicos

Compartilhe: Twitter

Neste link, o “press release” sobre o lançamento da Medpedia, a “maior enciclopédia online colaborativa sobre medicina e saúde do mundo”, que deve estar funcionando até o fim deste ano. Aqui, uma prévia do site. “Harvard Medical School, Stanford School of Medicine, a University of California Berkeley School of Public Health, a University of Michigan Medical School e dezenas de organizações de saúde ao redor do mundo estão colaborando com o Projeto Medpedia de várias maneiras”, diz o informe. Tem tudo para pegar. Via Computerworld.

Autor: - Categoria(s): internet, medicina, Tecnologia Tags:

Ver todas as notas

8 comentários para “Medpedia, uma “Wikipedia” feita por médicos”

  1. Deise Garcia disse:

    Fantástico! Gostaria, no entanto, de saber se haverá opção para lingua portuguesa.

    Grata

    Deise Garcia

  2. PERFEITO PARA HIPOCONDRÍACOS…RS!

  3. joao disse:

    Acho muito bom, ate porque pessoas leigas podem se informar tambem sobre os varios tipos de doencas, desde e claro que nunca substitua um medico.

  4. aloysio floriano de toledo disse:

    Gizmo Idolatry (JAMA, April 16, 2008 – Vol 299, nº 15): “gadget” e “gadgetry” conforme “American Heritage Dictionary”, “as a mechanical device or part whose name is forgotten or unknown: a gadget”. Continuando: “in this article, gizmo is used to refer to a mechanical procedure for which the clinical benefit in a specific clinical context is not clearly established, and gizmo idolatry refers to the general implicit conviction that a more technological approach is intrinsically better than one that is less technological unless, or perhaps even if, there is strong evidence to the contrary”.
    Entraria aí o robot,sendo apenas mais uma jogada de marketing agressivo?
    Em oportunas considerações os autores,entre outros engodos citam o uso difundido do oneroso e de complexa utilização dos “Swan-Ganz catheters”, ao invés da simplicidade do “central venous catheter”; pois bem, após duas longas décadas de uso estimulado, “in 2006 a clinical trial concluded that the use of Swan-Ganz catheters did not improve survival or organ function, but was associated with more complications than central venous catheter-guided therapy” (Pulmonary-artery versus central venous-catheter to guide treatment of acute lung injury. N Engl J Med 2006; 354 (21):2213-2224)e seu uso foi completamente abandonado nestes dois últimos anos.Segundo William Catalona, uma das três maiores autoridades nos EUA sobre câncer de próstata: “Although it is unknown what the future will hold, the role of laparoscopic and robotic prostatectomy remain incompletely defined, an it is possible that the long-term outcomes may not be as favorable as those of open prostatectomy” (Urologic Oncology: Seminars and Original Investigations 25 (2007) 494-498).

  5. Francisco da penha vieira disse:

    Agora é que vai morrer gente. Se antes as pessoas já se automedicavam, agora então é que a coisa vai ficar preta. Todavia, vale a pena ver essa Wiki funcionando. Talvez garantimos a não presença de médicos, já que atualmente, os médicos e nada são a mesma coisa. Não entendem de nada. Eles agora descobriram a mesa com as receitas – É só copiar.

  6. Isis disse:

    Muito boa a dica! Ficaria ótima no meu blog, rs, e em uma revista de medicina que edito… Parabéns pelo blog.

  7. J.C.Ismael disse:

    O grande problema com esse tipo de informação–uma das pragas disseminadas pela internet — é aumentar exponencialmente o risco até letal da automedicação. Se médicos já vêm disseminando a prática daquilo que, em meu livro “O médico e o paciente-Breve História de uma Relação Delicada”(ed. Ágora) chamo de medicalização da vida, pois prescrevem medicamentos ineficazes e exames inúteis, o que será das pessoas que esperam curar-se com essas “receitas virtuais”? O contato do médico com o paciente vem perdendo cada vez mais o humanismo da “ars curandi”, visto que ele é treinado para tratar a doença, não o doente. Some-se a isso a contribuição desses irresponsáveis “sites de saúde” para que o desprestígio da própria medicina se aproxime do fundo do poço.
    J.C.Ismael

  8. Argenton, R.T. disse:

    Hum, automedicação… acham mesmo que irão prescrever algo? Droga X para doença Y? O intuito é uma enciclopédia, só ira informar como deve ser feito o tratamento não o remédio que será usado e automedicação é coisa de brasileiro que a farmácia não tem controle, se automedica-se, não tem uma boa base de conhecimento, logo, a compreensão de descrições detalhadas sobre medicamentos e/ou tratamentos em língua inglesa, está fora de cogitação.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo