Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria saúde

17/10/2008 - 06:30

Disco music pode salvar vidas

Compartilhe: Twitter

“Disco music pode salvar vidas”, diz este texto publicado no blog de saúde do Wall Street Journal. Mais precisamente, o clássico “Stayin’Alive“, dos Bee Gees. (Leia a notícia para saber mais detalhes). A fonte é um estudo da University of Illinois College of Medicine. Interessante.

Autor: - Categoria(s): medicina, Música, saúde Tags: ,
15/10/2008 - 07:28

“Recessões podem ser saudáveis”

Compartilhe: Twitter

Texto de Tara Parker-Pope, traduzido pela Revista da Semana, diz que “recessões podem ser saudáveis” porque “em tempos de prosperidade as pessoas não se cuidam”, bebendo e comendo demais. Um trecho:

“Muita gente anda preocupada com a saúde da economia. Mas será que a economia também afeta a saúde? Sim, embora nem sempre como imaginamos. Dados relativos à influência da desaceleração econômica sobre a saúde são surpreendentemente ambíguos. É evidente que ganhos econômicos de longo prazo levam a melhorias na saúde geral da população, tanto em países em desenvolvimento quanto nos industrializados. Mas o impacto do atual colapso econômico depende, em parte, dos hábitos individuais na época das vacas gordas. Estudos econômicos sugerem que as pessoas tendem a não se cuidar em tempos de prosperidade – bebem demais (especialmente antes de dirigir), entopem-se com refeições gordurosas e deixam de lado a ginástica e as consultas médicas por causa da correria no trabalho. “O valor do tempo é maior na bonança”, diz Grant Miller, da Universidade Stanford. “As pessoas trabalham mais e fazem menos coisas sadias, como cozinhar e se exercitar.”

Autor: - Categoria(s): Comportamento, saúde, sociedade Tags:
08/10/2008 - 07:01

Alimentos ajudam a manter o bom humor

Compartilhe: Twitter

Peguei esta notícia na mais recente edição da Revista da Semana: “Um jantar saboroso e agradável costuma deixar as pessoas felizes. Mas não são somente o paladar e a companhia que produzem a sensação de alegria. O próprio cardápio pode ser o responsável. ‘Não há dúvida sobre a interferência daquilo que comemos nas variações de humor’, diz a neurocientista Patrícia Brocardo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), à revista Saúde. Sua pesquisa faz parte da linha adotada pelo Instituto Food and Mood, ou Comida e Humor, da Grã-Bretanha.

A presença equilibrada de serotonina, dopamina e noradrenalina no cérebro é fundamental para que a pessoa se sinta feliz, disposta e tranqüila. Essas substâncias podem ser produzidas com a ajuda de ingredientes que encontramos no dia-a-dia. Para se sentir bem é importante ingerir alimentos como grão-de-bico, ervilha e feijão, além de carnes, peixes, ovos, leite e seus derivados. Cereais integrais, que contêm cromo, mineral aliado da disposição, ajudam a manter o alto-astral.

O ômega-3, encontrado em peixes de água fria, como atum e salmão, tem ação antiinflamatória e, por vias indiretas, evita a irritação. Portanto, ao sushi. Brócolis, cogumelo, tomate e rúcula afastam a rabugice. A deficiência de vitamina B12 pode levar à depressão. Para evitá-la o melhor é se refestelar com ostras, mariscos e carne vermelha magra. O magnésio de amêndoas, nozes, amendoim, castanha e semente de abóbora dá vigor às células. Para finalizar, um cafezinho fornece cafeína e ácido clorogênico e o resultado é excitação e prazer – mas sem exagero. Um pouco basta, ou o resultado é insônia, taquicardia e nervosismo.”

Autor: - Categoria(s): Gastronomia, saúde Tags:
17/09/2008 - 06:30

6 erros na alimentação dos filhos

Compartilhe: Twitter

Esta matéria de Tara Parker-Pope, publicada no domingo, segue na lista das mais lidas no New York Times: 6 erros que os pais cometem na alimentação dos filhos.

Autor: - Categoria(s): saúde Tags:
10/09/2008 - 07:01

“Aprendendo a fumar”

Compartilhe: Twitter

Sugestão de leitura para quem perdeu: o texto “Aprendendo a Fumar”, de Tom Chiarella, publicado originalmente em fevereiro na revista Esquire. A versão em português saiu na Folha de domingo (só tive tempo de ler ontem à noite). Chiarella, que é crítico e professor de literatura, descreve sua primeira experiência como fumante, aos 46 anos. Durante um mês — e apenas nesse período — ele provou 34 marcas de cigarro e escreveu sobre a experiência. Um trecho: “Esta não é uma história sobre parar de fumar. É sobre começar. E começar, para mim, incluiu 34 marcas diferentes de cigarros, 11 isqueiros, revelações espirituais e momentos de clareza, reuniões em becos, encontros com estranhos nas ruas de várias cidades, momentos passados encolhido numa varanda decrépita, observando o acender de um fósforo durante uma tempestade de neve, protegido por uma mão. Uma dor de garganta perpétua, pequena tosse irritante, várias sessões de vômito, dor de cabeça que se prolongou por seis dias, aumento de apetite, um momento de vertigem e um caso perverso do que só posso chamar de confusão moral. Também envolveu o ingresso em uma espécie de clube, ser criticado impiedosamente pela posição hegemônica, tentar me enquadrar e não querer me enquadrar.”

Autor: - Categoria(s): Comportamento, saúde, sociedade Tags:
09/09/2008 - 07:13

Oliver Sacks e os maníaco-depressivos

Compartilhe: Twitter

Oliver Sacks (ao lado) escreve sobre transtornos maníaco-depressivos ao resenhar o livro “Hurry Down Sunshine“, de Michael Greenberg, para o The New York Review of Books. Um ótimo texto para os jornais brasileiros traduzirem. Abaixo, a lista dos outros livros que Sacks menciona no artigo, para quem deseja se aprofundar no assunto:

Wisdom, Madness and Folly: The Philosophy of a Lunatic
by John Custance
Pellegrini and Cudahy, 254 pp. (1952)

Manic-Depressive Illness: Bipolar Disorders and Recurrent Depression
by Frederick K. Goodwin and Kay Redfield Jamison
Oxford University Press, second edition, 1,288 pp., $110.00

An Unquiet Mind: A Memoir of Moods and Madness
by Kay Redfield Jamison
Vintage, 224 pp.,$13.95 (paper)

Touched with Fire: Manic-Depressive Illness and the Artistic Temperament
by Kay Redfield Jamison
Free Press, 384 pp., $15.00 (paper)

The Seduction of Madness: Revolutionary Insights into the World of Psychosis and a Compassionate Approach to Recovery at Home
by Edward M. Podvoll
HarperCollins, 342 pp. (1990)

Lectures on Clinical Psychiatry
by Emil Kraepelin
William Wood, 308 pp. (1904)

Manic-Depressive Insanity and Paranoia
by Emil Kraepelin
Edinburgh: Livingstone, 280 pp. (1921)

Autor: - Categoria(s): Ciência, Livros, saúde Tags:
05/09/2008 - 08:08

Tudo (ou quase tudo) sobre o sono

Compartilhe: Twitter

Uma página para quem deseja saber mais sobre o sono: “The Sleep Medicine Home Page“. A página agrupa dezenas de bons links sobre o assunto. Jornalistas que forem fazer uma matéria sobre o assunto vão encontrar várias fontes de informação, também. Exemplo: foi no capítulo sobre doenças do sono que eu descobri que existia a SBS, ou “Sexual  behavior in sleep“, também conhecida como “sexsomnia”.

Autor: - Categoria(s): medicina, saúde Tags:
20/08/2008 - 07:30

Para entender o nosso cérebro

Compartilhe: Twitter

Na linha de curiosidades úteis: gaste um pouco do seu tempo investigando a estrutura e o funcionamento do cérebro humano navegando pelo site “The Brain From Top To Bottom” (em inglês ou francês), uma espécie de enciclopédia interativa sobre o cérebro e o comportamento humano. O site permite que você explore 12 temas (cada um deles contendo vários sub-temas), como a memória, os sentidos e o desenvolvimento da mente, apenas para citar três exemplos. O mais legal é que dá para escolher respostas por nível de conhecimento: iniciante, intermediário ou avançado. Bom para todos os curiosos e para os jornalistas que precisam de informações sobre o assunto. Os próprios administradores do site informam que a repórter April Holladay usou as informações que encontrou lá como fonte para três colunas que ela escreveu para o jornal USA Today (1, 2 e 3). (Dica do Mauro K.)

Autor: - Categoria(s): Ciência, Comportamento, Educação, saúde Tags:
01/08/2008 - 06:50

O mito do exercício moderado

Compartilhe: Twitter

Peguei no site da revista Time uma matéria que diz o seguinte: especialistas em obesidade concordam que a prática de exercícios diários é essencial para uma boa saúde, mas essa prática pode não levar necessariamente à perda de peso no longo prazo (há uma polêmica aí). O que está claro é que a sugestão aceita convencionalmente por todos — 30 minutos de exercícios moderados durante a maior parte dos dias da semana — é insuficiente, provavelmente, para provocar qualquer mudança real no peso do corpo de uma pessoa. Um estudo publicado no dia 28 de julho no Archives of Internal Medicine diz que quando se trata de exercício para perda de peso, mais é melhor. O trabalho sugere que pessoas obesas precisam se exercitar pelo menos por uma hora para ver alguma mudança significativa no seu peso. Leia a matéria completa neste link.

Autor: - Categoria(s): Esportes, saúde Tags:
25/07/2008 - 06:52

Os celulares e a nossa saúde

Compartilhe: Twitter

O diretor do Instituto do Câncer da University of Pittsburgh vê riscos para a saúde no uso de aparelhos celulares, diz esta matéria publicada na Pittsburgh Post-Gazette. Vale registrar.

Autor: - Categoria(s): medicina, saúde, Tecnologia Tags:
Voltar ao topo