Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria psicologia

15/01/2009 - 06:50

Pais, filhos e as “boas maneiras”

Compartilhe: Twitter

Uma das matérias mais lidas no site do New York Times esta semana é “Making Room For Miss Manners Is a Parenting Basics“. Grosso modo, levanta a lebre do ensino de boas maneiras às crianças (ou, para usar um termo que saiu de moda, fala sobre a tarefa dos pais de “civilizar” o objeto da afeição deles). “Toda criança nasce adorável, porém é egoísta e se acha o centro do universo”. É trabalho dos pais ensiná-la “que existem outras pessoas, e que as outras pessoas têm sentimentos”. Boa pauta.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, psicologia Tags:
10/11/2008 - 06:31

As crianças e seus superpais

Compartilhe: Twitter

Ótima reportagem publicada na nova edição da New Yorker foca no fenômeno dos “overparents”, ou superpais, cujos filhos geralmente encaram não só uma pesada agenda escolar mas também “um cansativo programa de atividades extracurriculares”, como aulas de tênis, de mandarim e de balé. A matéria informa que, antigamente, “overparenting” era simplesmente “mimar”. Hoje, a palavra ainda carrega esse significado — “sem regras para os filhos, muitos brinquedos” — mas outras duas questões mais complicadas foram incluídas no pacote: a primeira é a ansiedade dos pais. A outra é a “pressão para a realização” dos filhos. O repórter menciona que até mesmo a educação infantil tem acompanhado esse movimento: a “hora da brincadeira”, por exemplo, foi substituída pela leitura e pelo treinamento para desenvolver o raciocínio matemático da garotada. Vários livros sobre o tema aparecem como fonte: em “A Nation of Wimps: The High Cost of Invasive Parenting“, Hara Estroff Marano, que é editora da Psychology Today, diz que a Baby Einstein, uma subsidiária da Walt Disney Company, quer vender não apenas o CD Baby Mozart, mas também o Baby Beethoven, ambos “disponíveis também em DVD”. Parece mesmo um nicho de mercado lucrativo. Outros títulos que podem interessar: “Under Pressure: The New Movement Inspiring Us to Slow Down, Trust Our Instincts, and Enjoy Our Kids”; “Men to Boys: The Making of Modern Immaturity“; e “The Price of Privilege”. Bom tema.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, Educação, psicologia Tags: ,
23/09/2008 - 07:34

“Ser paciente é questão de opção e treino”

Compartilhe: Twitter

Outra sugestão de leitura: o texto “Haja paciência“, de Roberta De Lucca, publicado na revista Vida Simples. Para realizar a matéria, Roberta conversou com Esdras Vasconcellos, professor de psicologia da USP e da PUC-SP e diretor do Instituto Paulista do Estresse. Abaixo, um trecho do trabalho dela:

“A paciência, me diz ele, é uma atitude humanista. Ser paciente é entender e aceitar a si mesmo e aos outros, e uma virtude necessária para a vida equilibrada, serena. A definição é poética, envolvente, mas penso em como ser assim nos dias atuais. Questiono como é possível alcançar esse estado de espírito e comportamento, dentro dos padrões que exigem muito e oferecem tão pouco para o bem-estar individual. Dá para ser paciente com a pressão no trabalho? Com o caos dos centros urbanos? Com fila? Com as outras pessoas?

Claro que dá…. Desde que fique bem entendido que ser paciente é questão de opção e treino. Opção porque decidimos abrir ou não espaço para o que desperta impaciência. Aquele colega de trabalho que é meio devagar para achar um arquivo no computador, ou que raciocina meio segundo mais lento que você, pode, ou não, ser o motivo da sua impaciência – depende de como você reage à maneira de ele ser. Há pessoas com estrutura de personalidade não reativa e reativa. Há quem não se abale por pouca coisa e disponha de uma grande reserva de paciência dentro delas. Outras são predispostas à reação automática, na base do toma lá, dá cá. “A atitude da mente reativa deixa as pessoas impacientes”, afirma a psicóloga Bel César. Alguém age de maneira que o incomoda, sua resposta imediata é a defesa, o ataque, a irritação. Em suma, a impaciência. O segredo é saber como lidar com o processo reativo.”

Autor: - Categoria(s): Comportamento, psicologia Tags: , ,
15/09/2008 - 06:29

“O garoto bipolar”

Compartilhe: Twitter

Na capa da revista de domingo do New York Times, uma longa reportagem que pode interessar a muitos pais: “The Bipolar Kid”. A chamada que o editor fez para o site pergunta: “O que significa ser uma criança maníaco-depressiva?” Vale dar uma olhada, é um ótimo trabalho de apuração. O texto faz parte de uma série de matérias que está sendo produzida pelo jornal sobre “crianças problemáticas”. Neste link, o índice para todas elas.

Autor: - Categoria(s): Ciência, Comportamento, medicina, psicologia Tags:
25/08/2008 - 06:57

Testes psicológicos na web

Compartilhe: Twitter

No blog da Tara Parker-Pope, um post que pode interessar: “os melhores testes psicológicos on line“. Ela selecionou seis. E indica um artigo onde podemos encontrar mais. O fato de serem todos em inglês dificulta um pouco as coisas, mas acho que tem gente que pode gostar.

Autor: - Categoria(s): internet, psicologia Tags:
11/08/2008 - 06:50

O homem e o automóvel

Compartilhe: Twitter

Quer entender um pouco a respeito da psicologia das pessoas que dirigem automóveis? O suplemento de livros do New York Times recomenda o livro “Traffic – Why We Drive The Way We Do (And What It Says About Us)“, de Tom Vanderbilt, lançado recentemente no mercado americano. Em português: “Trânsito – Por que dirigimos do jeito que dirigimos e o que isso diz sobre nós”. Tom – que tem um blog – daria um bom personagem para os jornais brasileiros, já que o trânsito tornou-se o vilão número 1 da vida contemporânea. “Os congestionamentos não são causados pelos defeitos no design das ruas, mas por defeitos na natureza humana”. Polêmico.

Autor: - Categoria(s): carros, Comportamento, psicologia Tags:
08/07/2008 - 06:33

O problema dos muito ricos: desencanto

Compartilhe: Twitter

Uma matéria publicada pelo New York Times é um exemplo do espírito do tempo do mundo dos muito ricos. Grosso modo, diz que como os ricos americanos estão mais ricos do que nunca, os problemas que o dinheiro traz estão exigindo mais tempo deles na terapia.  O jornal falou com uma dúzia de terapeutas sobre o efeito psicólogico de ter dinheiro demais na conta. Enquanto décadas atrás grandes herdeiros sofriam de depressão, os bilionários de hoje (que fizerem suas próprias fortunas) são narcisistas demais para isso. Uma grande parte deles sofre de um certo “desencanto” com o mundo fora dos negócios, que eles obviamente não podem controlar. Ok, então.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, psicanálise, psicologia, Uncategorized Tags:
07/07/2008 - 07:36

A ciência da depressão

Compartilhe: Twitter

No Boston Globe, na seção de “Idéias“, um artigo interessante de Jonah Lehrer. O título: Como o Prozac mandou a ciência da depressão para a direção errada“.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, medicina, psicologia Tags:
17/06/2008 - 07:02

Cuidado com os carros que usam adesivos

Compartilhe: Twitter

Como se não bastasse o trânsito caótico dos dias atuais, há uma outra praga que devemos sempre evitar: a dos motoristas agressivos, sempre dispostos a usar as ruas e o automóvel como válvula de escape para suas raivas cotidianas. É possível identificar essas pessoas? Segundo informa o Washington Post, sim. O jornal cita um estudo realizado pelo psicólogo social William Szlemko, da Colorado State University. Szlemko concluiu que os motoristas que colam adesivos com frases em seus carros, usam placas personalizadas ou outros “marcadores de território” não só ficam irritados quando levam uma fechada ou quando o motorista da frente demora para arrancar, mas tendem a usar seus veículos para “expressar raiva”, buzinando, colando na traseira do carro da frente ou usando qualquer outro comportamento agressivo. Detalhe: tanto faz se a mensagem é “da paz” (tipo “eu acredito em Duendes”) ou não (“Tá nervoso:? Vai surfar”). O que importa é o ato de personalizar o carro. Fica a dica.

Autor: - Categoria(s): automobilismo, Comportamento, psicologia Tags:
06/06/2008 - 07:34

O medo do holandês diante do pênalti

Compartilhe: Twitter

No Wall Street Journal de hoje, uma reportagem um tanto fora da curva para a publicação: inspirado pela abertura da Eurocopa, o jornal publicou uma matéria sobre como o time de futebol da Holanda vem se preparando para melhorar sua performance nas decisões por cobranças de pênaltis. Segundo o texto, olhando as estatísticas, a seleção holandesa é a segunda pior do mundo (só perdendo para Inglaterra). Algumas informações interessantes: pensando no presente, psicólogos foram contratados para tentar ajudar. Um deles, ao ensinar a equipe a lidar com erros, instituiu a técnica do abraço coletivo quando um jogador perde uma cobrança. Pensando no futuro, a federação holandesa obriga que todo jogo amador, começando com os times de garotos de 6 anos, termine em cobranças de pênaltis, mesmo que a partida não acabe empatada, para os moleques irem se acostumando com a prática (taí uma boa idéia). Um holandês entrevistado acha, inclusive, que o “espírito igualitário” da sociedade holandesa não combina com o momento das decisões por pênalti. Vale olhar. Aqui, um vídeo sobre pênaltis que eu achei no YouTube.

Autor: - Categoria(s): Esportes, psicologia Tags:
Voltar ao topo