Publicidade

Publicidade

Arquivo de setembro, 2008

29/09/2008 - 07:38

60 pôsters de 10 ótimos artistas

Compartilhe: Twitter

Neste link aqui, um post que celebra a arte do “pôster de show”. O autor selecionou 60 trabalhos de 10 artistas, como este de Frank Kozik (acima). Outros nomes presentes na lista: Rex Ray, Emek, etc. Boas referências para designers e ilustradores. Via Smashing Magazine. (Dica do Marcos Souza).

Autor: - Categoria(s): Artes Plásticas, Design, ilustração Tags: , ,
29/09/2008 - 07:19

“Leis não fazem homens justos”

Compartilhe: Twitter

Sugestão de leitura: o texto “Leis não fazem homens justos“, de Leonardo Trevisan, publicado no jornal O Estado de S. Paulo. É sobre o livro que Andrew Kirk escreveu a respeito do texto “Desobediência Civil”, de Henry David Thoreau. Um trecho:

“Os usos da frase ‘o bom governo é o que governa menos’ são diversos. Um convicto anarquista assinaria embaixo dessas palavras, embora um profundo neoconservador também o faria. Está aí uma boa confusão sobre o que é ‘idéia’ de governo, envolvendo o autor dessa frase. No auge da contracultura dos anos 1960, os estudantes norte-americanos carregavam retratos de Henry David Thoreau e pediam ‘desobediência civil’ contra a convocação para combater no Vietnã. Era uma correta escolha de ídolo.

Henry David Thoreau nasceu em 1817, em Concord, Massachusetts, e morreu em 1862. Estudou no Harvard College, escreveu muito, mas publicou só dois livros, um sobre sua cidade natal e Walden (ou A Vida na Floresta), um hino de respeito à Natureza. O que fez sua fama foi um pequeno ensaio, pouco mais que um folheto, Desobediência Civil, originalmente uma palestra feita em 1848. O motivo: o ineditismo de alguns conceitos, sendo o primeiro deles: ‘As leis nunca tornaram os homens mais justos’, acompanhado da premissa de que a função dos governos é mostrar ‘como os homens podem ter sucesso em oprimir’. O maior alvo da luta de Thoreau era enfrentar a escravidão, questão séria para a desenvolvida Região Norte dos EUA contra o latifundiário do Sul. O jornalista Andrew Kirk, em Desobediência Civil, de Thoreau, publicado pela Jorge Zahar Editor, retomou esse tema, reproduziu esse ensaio e reconstruiu o impacto histórico que Thoreau despertou em muita gente, de Gandhi a Martin Luther King.”

Autor: - Categoria(s): Livros Tags:
29/09/2008 - 07:12

Os endereços de Gaultier em Paris

Compartilhe: Twitter

Neste mapa interativo estão apontados os lugares favoritos do estilista Jean-Paul Gaultier (foto) em Paris, indicados por ele mesmo. Algumas dicas óbvias; outras, nem tanto. Faz parte de uma matéria de turismo publicada pelo New York Times, que aproveitou a proximidade da semana da moda para encomendar o texto ao repórter. Na maior cara de pau, ele aproveitou para indicar a própria loja — e o jornal publicou. O ombudsman não vai gostar.

Autor: - Categoria(s): Moda, Turismo Tags: ,
29/09/2008 - 06:50

Uma artista: Elizabeth Peyton

Compartilhe: Twitter

O New Museum, em Nova York, programou para o dia 8 de outubro a abertura de uma retrospectiva da obra de Elizabeth Peyton. Aproveitando o gancho, a New Yorker desta semana traz uma matéria sobre a artista. O link do texto ainda não está lá, mas já é possível ver uma seleção de pinturas feita pelos editores da revista. Vale a pena dar uma olhada.

Autor: - Categoria(s): Artes Plásticas Tags:
29/09/2008 - 06:37

Moda nas ruas de Milão

Compartilhe: Twitter

O blogueiro do The Sartorialist está postando fotos de moda das ruas de Milão. Às vezes esqueço, mas sempre que vou no blog dele encontro boas referências de roupas.

Autor: - Categoria(s): Moda Tags:
29/09/2008 - 06:21

10 brinquedos sexuais

Compartilhe: Twitter

Uma galeria de imagens publicada pelo Independent que alcançou a marca de link mais clicado da semana passada: “os 10 melhores brinquedos sexuais”. Entre e clique na imagem.

Autor: - Categoria(s): sexo Tags:
29/09/2008 - 06:10

Uma música

Compartilhe: Twitter

Para começar a semana, “Les Playboys“, com Jacques Dutronc.

Autor: - Categoria(s): Música Tags: ,
29/09/2008 - 06:02

Compartilhe: Twitter

Circular: “Às vezes vejo na rua, aos domingos, uns ciclistas cheios de aparatos de cores berrantes, novinhos em folha, mas não boto muita fé no desempenho deles no trato do essencial, que são os pedais e o guidom. Penso: ‘Esse parece que comprou a roupa antes da bicicleta’. A mesma sensação me ocorre, não raro, na convivência com jornalistas que dão demasiado valor a aspectos tecnológicos, seja no próprio equipamento de trabalho, seja na leitura da realidade externa que irão reproduzir com palavras. Penso: ‘Esse parece que comprou um peixe e precisa passar adiante rápido, antes que descongele’. Ou muito me engano ou é justo aquilo que Cremilda Medina chama de ‘acelerar a assepsia racionalista das fórmulas de comunicação’. Na Copa de 98, a única que cobri na vida, propiciou-me uma visão um pouco assustadora sobre o mundo em que vivemos: quanta gente, quanto dinheiro, quanta tecnologia mobilizadas na caça da obviedade. Porque o óbvio é também efêmero, o que de certo modo o redime, embora sem nos fazer felizes.” (Renato Modernell, “Observações com base no texto ‘Informação e cidadania’, de Cremilda Medina“).

Autor: - Categoria(s): circular Tags: ,
29/09/2008 - 06:02

Compartilhe: Twitter

Circular: “Às vezes vejo na rua, aos domingos, uns ciclistas cheios de aparatos de cores berrantes, novinhos em folha, mas não boto muita fé no desempenho deles no trato do essencial, que são os pedais e o guidom. Penso: ‘Esse parece que comprou a roupa antes da bicicleta’. A mesma sensação me ocorre, não raro, na convivência com jornalistas que dão demasiado valor a aspectos tecnológicos, seja no próprio equipamento de trabalho, seja na leitura da realidade externa que irão reproduzir com palavras. Penso: ‘Esse parece que comprou um peixe e precisa passar adiante rápido, antes que descongele’. Ou muito me engano ou é justo aquilo que Cremilda Medina chama de ‘acelerar a assepsia racionalista das fórmulas de comunicação’. Na Copa de 98, a única que cobri na vida, propiciou-me uma visão um pouco assustadora sobre o mundo em que vivemos: quanta gente, quanto dinheiro, quanta tecnologia mobilizadas na caça da obviedade. Porque o óbvio é também efêmero, o que de certo modo o redime, embora sem nos fazer felizes.” (Renato Modernell, “Observações com base no texto ‘Informação e cidadania’, de Cremilda Medina“).

Autor: - Categoria(s): circular Tags: ,
28/09/2008 - 07:07

Lembrando de Miles Davis

Compartilhe: Twitter

Há exatos 17 anos, em 28 de setembro de 1991, morria Miles Davis. Neste link, o ótimo obituário escrito por Jon Pareles. Do YouTube, selecionei três momentos: tocando “Time After Time” em Montreal; “So What“, no Steve Allen Show; e com Gil Evans em 1959. Queria muito achar o obituário escrito pelo José Onofre, publicado no jornal O Estado de S. Paulo, mas não encontrei. Se alguém tiver guardado por favor me avise. (A foto é de Anton Corbijn, uma das melhores que já vi).

Autor: - Categoria(s): Música Tags:
Voltar ao topo