Publicidade

Publicidade

Arquivo de julho, 2008

29/07/2008 - 06:35

Um clipe

Compartilhe: Twitter

A atriz Natalie Portman topou participar do clipe do namorado, Devendra Banhart. O resultado está aí em cima.

Autor: - Categoria(s): Música Tags:
29/07/2008 - 06:23

Compartilhe: Twitter

Circular: “Dicas para o pensamento criativo

Descobrir e espantar-se: Procure todos os dias encontrar algo que lhe cause admiração. Pessoas especialmente criativas conservam por toda vida espírito investigativo e curiosidade infantil. Diante disso, é importante questionar até os conhecimentos que parecem seguros. Anotando o que lhe pareceu inusitado e estranho, você poderá fortalecer sua percepção.

Motivação: Nem todo tema ou atividade entusiasmam as pessoas na mesma medida. No pensamento criativo a motivação precisa estar em ordem, já que é preciso fazer alguns esforços. A inspiração aparece sobretudo quando uma área prende muito a atenção. Fundamente o que realmente quer fazer. Assim que sentir uma centelha de interesse, siga a pista. E se algo não o motiva, melhor manter a distância.

Coragem e liberdade de pensamento: Rotina e formas de pensar estanques integram o time de arquiinimigos da criatividade. Frases como “Mas sempre fizemos assim…” acabam de vez com a motivação. Os princípios também podem tornar-se barreiras ao pensamento. A criatividade exige a coragem de suplantar proibições ao pensamento e de olhar mais de perto idéias que em princípio parecem despropositadas – isso tudo sob o signo do inconformismo.

Tranqüilidade e descontração: Embora pessoas criativas sejam freqüentemente ativas, raramente são agitadas. Reserve um pouco de tempo para sonhar acordado e refletir, aí podem vir as melhores idéias. Procure oportunidades para relaxar e aproveite-as de maneira consciente. Pressão é algo que bloqueia a atividade criativa. Quem está à procura de uma idéia e para encontrá-la martiriza o próprio cérebro logo acaba levando o próprio pensamento a um beco sem saída.” (Ulrich Kraft, “Em busca do gênio”, do arquivo de Renato Modernell)

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
29/07/2008 - 06:23

Compartilhe: Twitter

Circular: “Dicas para o pensamento criativo

Descobrir e espantar-se: Procure todos os dias encontrar algo que lhe cause admiração. Pessoas especialmente criativas conservam por toda vida espírito investigativo e curiosidade infantil. Diante disso, é importante questionar até os conhecimentos que parecem seguros. Anotando o que lhe pareceu inusitado e estranho, você poderá fortalecer sua percepção.

Motivação: Nem todo tema ou atividade entusiasmam as pessoas na mesma medida. No pensamento criativo a motivação precisa estar em ordem, já que é preciso fazer alguns esforços. A inspiração aparece sobretudo quando uma área prende muito a atenção. Fundamente o que realmente quer fazer. Assim que sentir uma centelha de interesse, siga a pista. E se algo não o motiva, melhor manter a distância.

Coragem e liberdade de pensamento: Rotina e formas de pensar estanques integram o time de arquiinimigos da criatividade. Frases como “Mas sempre fizemos assim…” acabam de vez com a motivação. Os princípios também podem tornar-se barreiras ao pensamento. A criatividade exige a coragem de suplantar proibições ao pensamento e de olhar mais de perto idéias que em princípio parecem despropositadas – isso tudo sob o signo do inconformismo.

Tranqüilidade e descontração: Embora pessoas criativas sejam freqüentemente ativas, raramente são agitadas. Reserve um pouco de tempo para sonhar acordado e refletir, aí podem vir as melhores idéias. Procure oportunidades para relaxar e aproveite-as de maneira consciente. Pressão é algo que bloqueia a atividade criativa. Quem está à procura de uma idéia e para encontrá-la martiriza o próprio cérebro logo acaba levando o próprio pensamento a um beco sem saída.” (Ulrich Kraft, “Em busca do gênio”, do arquivo de Renato Modernell)

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
29/07/2008 - 06:23

Compartilhe: Twitter

Circular: “Dicas para o pensamento criativo

Descobrir e espantar-se: Procure todos os dias encontrar algo que lhe cause admiração. Pessoas especialmente criativas conservam por toda vida espírito investigativo e curiosidade infantil. Diante disso, é importante questionar até os conhecimentos que parecem seguros. Anotando o que lhe pareceu inusitado e estranho, você poderá fortalecer sua percepção.

Motivação: Nem todo tema ou atividade entusiasmam as pessoas na mesma medida. No pensamento criativo a motivação precisa estar em ordem, já que é preciso fazer alguns esforços. A inspiração aparece sobretudo quando uma área prende muito a atenção. Fundamente o que realmente quer fazer. Assim que sentir uma centelha de interesse, siga a pista. E se algo não o motiva, melhor manter a distância.

Coragem e liberdade de pensamento: Rotina e formas de pensar estanques integram o time de arquiinimigos da criatividade. Frases como “Mas sempre fizemos assim…” acabam de vez com a motivação. Os princípios também podem tornar-se barreiras ao pensamento. A criatividade exige a coragem de suplantar proibições ao pensamento e de olhar mais de perto idéias que em princípio parecem despropositadas – isso tudo sob o signo do inconformismo.

Tranqüilidade e descontração: Embora pessoas criativas sejam freqüentemente ativas, raramente são agitadas. Reserve um pouco de tempo para sonhar acordado e refletir, aí podem vir as melhores idéias. Procure oportunidades para relaxar e aproveite-as de maneira consciente. Pressão é algo que bloqueia a atividade criativa. Quem está à procura de uma idéia e para encontrá-la martiriza o próprio cérebro logo acaba levando o próprio pensamento a um beco sem saída.” (Ulrich Kraft, “Em busca do gênio”, do arquivo de Renato Modernell)

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
28/07/2008 - 07:17

Medpedia, uma “Wikipedia” feita por médicos

Compartilhe: Twitter

Neste link, o “press release” sobre o lançamento da Medpedia, a “maior enciclopédia online colaborativa sobre medicina e saúde do mundo”, que deve estar funcionando até o fim deste ano. Aqui, uma prévia do site. “Harvard Medical School, Stanford School of Medicine, a University of California Berkeley School of Public Health, a University of Michigan Medical School e dezenas de organizações de saúde ao redor do mundo estão colaborando com o Projeto Medpedia de várias maneiras”, diz o informe. Tem tudo para pegar. Via Computerworld.

Autor: - Categoria(s): internet, medicina, Tecnologia Tags:
28/07/2008 - 07:01

Pôsters de cinema: trash, filmes B, horror…

Compartilhe: Twitter

O “Wrong Side of the Art” é um blog legal sobre pôsters de cinema, focado nos seguintes gêneros, segundo escreve o próprio dono da coleção: “cult/horror/exploitation/B/sci-fi e basicamente qualquer outro gênero que alguém pode chamar de ‘merda’. Acima, três exemplos que eu pesquei. Tem mais.

Autor: - Categoria(s): Cinema, Design Tags:
28/07/2008 - 06:49

O futuro da leitura: impresso versus digital

Compartilhe: Twitter

O New York Times começou a publicar, em sua edição de ontem, uma série de reportagens sobre “O futuro da leitura” (ou como eles mesmos chamaram, a batalha entre o “digital” e o “impresso”). A idéia é mostrar como a internet e outras “forças tecnológicas e sociais” estão mudando a maneira das pessoas lerem. A primeira matéria focou no comportamento dos adolescentes americanos e no “debate passional sobre o que significa ler na era digital”. Enquanto alguns argumentam que as horas gastas na frente de um computador, navegando na internet, são as inimigas da leitura — prejudicando a alfabetização e destruindo uma “valiosa cultura comum” que existe apenas por meio da leitura de livros, outros dizem que a internet criou uma nova forma de leitura, um tipo que as escolas e a sociedade não devem desprezar. A web pode, por exemplo, inspirar adolescentes que estariam gastando tempo na frente da TV, parados, a ler e a escrever, segundo mostra o texto. “Ler numa página impresa e na internet é diferente. No papel, um texto tem um começo, um meio e um fim pré-determinado, em que leitores focam por um período de tempo na visão de um autor. Na internet, os leitores passeiam pelo cyberspace à vontade, compondo seu próprios começos, meios e fins”. Um infográfico mostra as capacidades desses “novos leitores”, segundo alguns pesquisadores.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, cultura, internet, Livros, sociedade, Tecnologia Tags:
28/07/2008 - 06:14

Uma música

Compartilhe: Twitter

Para começar a semana, a banda Soft Machine tocando na TV Francesa em 1970. Bacana.

Autor: - Categoria(s): Música Tags:
28/07/2008 - 06:10

Compartilhe: Twitter

Circular: “Resta lembrar que a vida dos livros é vária como a dos homens. Uns morrem de vinte, outros de cinqüenta, outros de cem anos, ou de noventa e nove (…) Ora, esse prolongamento da vida, curto ou longo, é um pequeno retalho da glória. A imortalidade é que é de poucos.” (Machado de Assis, “A Semana”, 16/8/1896)

“Há muita coisa parasita, muita repetida, e muita que não valia a pena trazer da vida ao livro.” (Machado de Assis, “A Semana”, 27/12/1896)

“(…) o leitor, entretanto, não se refugia no livro, senão para escapar à vida.” (Machado de Assis, “Memórias Póstumas de Brás Cubas”)

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
28/07/2008 - 06:10

Compartilhe: Twitter

Circular: “Resta lembrar que a vida dos livros é vária como a dos homens. Uns morrem de vinte, outros de cinqüenta, outros de cem anos, ou de noventa e nove (…) Ora, esse prolongamento da vida, curto ou longo, é um pequeno retalho da glória. A imortalidade é que é de poucos.” (Machado de Assis, “A Semana”, 16/8/1896)

“Há muita coisa parasita, muita repetida, e muita que não valia a pena trazer da vida ao livro.” (Machado de Assis, “A Semana”, 27/12/1896)

“(…) o leitor, entretanto, não se refugia no livro, senão para escapar à vida.” (Machado de Assis, “Memórias Póstumas de Brás Cubas”)

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
Voltar ao topo