Publicidade

Publicidade

Arquivo de maio, 2008

30/05/2008 - 06:02

Compartilhe: Twitter

Circular: “Não se deve estar nunca satisfeito com o que se faz. Nunca está tão bom quanto seria possível. Sempre sonhe e mire acima daquilo que você sabe que pode fazer. Não se preocupe apenas em ser melhor que os seus contemporâneos ou predecessores. Tente ser melhor do que você mesmo. Um artista é uma criatura arrastada por demônios. Não sabe por que o escolheram e normalmente está ocupado demais para se perguntar isso. É totalmente amoral, pois irá roubar, mendigar, pedir emprestado ou furtar de quem quer que seja para ver seu trabalho realizado (…) A única responsabilidade do escritor é para com sua arte. Será inteiramente desapiedado se for um bom escritor. Tem um sonho. Isso o angustia tanto que ele tem que se livrar dele. Não tem paz até então. O resto vai por água abaixo: honra, orgulho, decência, segurança, felicidade, tudo, para que o livro seja escrito. Se um escritor tiver que roubar a sua mãe, não hesitará; a ‘Ode a uma urna grega’ (de John Keats, 1795-1821) vale mais do que qualquer punhado de velhas”.
(William Faulkner, em entrevista à revista “Paris Review”, 1956). Via Gymnopedies, do Jonas Lopes.

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
30/05/2008 - 06:02

Compartilhe: Twitter

Circular: “Não se deve estar nunca satisfeito com o que se faz. Nunca está tão bom quanto seria possível. Sempre sonhe e mire acima daquilo que você sabe que pode fazer. Não se preocupe apenas em ser melhor que os seus contemporâneos ou predecessores. Tente ser melhor do que você mesmo. Um artista é uma criatura arrastada por demônios. Não sabe por que o escolheram e normalmente está ocupado demais para se perguntar isso. É totalmente amoral, pois irá roubar, mendigar, pedir emprestado ou furtar de quem quer que seja para ver seu trabalho realizado (…) A única responsabilidade do escritor é para com sua arte. Será inteiramente desapiedado se for um bom escritor. Tem um sonho. Isso o angustia tanto que ele tem que se livrar dele. Não tem paz até então. O resto vai por água abaixo: honra, orgulho, decência, segurança, felicidade, tudo, para que o livro seja escrito. Se um escritor tiver que roubar a sua mãe, não hesitará; a ‘Ode a uma urna grega’ (de John Keats, 1795-1821) vale mais do que qualquer punhado de velhas”.
(William Faulkner, em entrevista à revista “Paris Review”, 1956). Via Gymnopedies, do Jonas Lopes.

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
30/05/2008 - 06:02

Compartilhe: Twitter

Circular: “Não se deve estar nunca satisfeito com o que se faz. Nunca está tão bom quanto seria possível. Sempre sonhe e mire acima daquilo que você sabe que pode fazer. Não se preocupe apenas em ser melhor que os seus contemporâneos ou predecessores. Tente ser melhor do que você mesmo. Um artista é uma criatura arrastada por demônios. Não sabe por que o escolheram e normalmente está ocupado demais para se perguntar isso. É totalmente amoral, pois irá roubar, mendigar, pedir emprestado ou furtar de quem quer que seja para ver seu trabalho realizado (…) A única responsabilidade do escritor é para com sua arte. Será inteiramente desapiedado se for um bom escritor. Tem um sonho. Isso o angustia tanto que ele tem que se livrar dele. Não tem paz até então. O resto vai por água abaixo: honra, orgulho, decência, segurança, felicidade, tudo, para que o livro seja escrito. Se um escritor tiver que roubar a sua mãe, não hesitará; a ‘Ode a uma urna grega’ (de John Keats, 1795-1821) vale mais do que qualquer punhado de velhas”.
(William Faulkner, em entrevista à revista “Paris Review”, 1956). Via Gymnopedies, do Jonas Lopes.

Autor: - Categoria(s): circular Tags:
29/05/2008 - 15:49

Polaroid lança mini impressora

Compartilhe: Twitter

Esta impressora da Polaroid, compatível com celulares e câmeras digitais, deve ser realmente bacana. Acaba de ser lançada. Em abril, eu já tinha mencionado a novidade ao ler uma reportagem sobre o assunto. Via Popgadget.

Autor: - Categoria(s): fotografia, Tecnologia Tags:
29/05/2008 - 10:22

Trilha radical na Espanha

Compartilhe: Twitter

O “Caminito Del Rey”, na Espanha, é uma trilha para aventureiros destemidos. Dá uma olhada.

Autor: - Categoria(s): Esportes, Turismo Tags:
29/05/2008 - 10:06

Uma nova ética corporativa

Compartilhe: Twitter

No New York Times de hoje, uma matéria sobre o professor de administração de Warthon, Stewart D. Friedman (foto). O estilo de Friedman é apontando como uma tendência “quente” nas escolas do gênero: incorporar valores da vida pessoal na ética da corporação. A premissa fundamental é que, nos dias de hoje, as escolas de administração precisam ensinar que “liderança” existe em todos os níveis e que a vida corporativa deve ser muito mais do que apenas ganhar dinheiro. Para Friedman, a liderança também não deve estar restrita ao trabalho, mas avançar na vida pessoal do indivíduo, como no envolvimento dele com a comunidade, por exemplo. Bom tema.

Autor: - Categoria(s): Comportamento, negócios, sociedade, Uncategorized Tags:
29/05/2008 - 09:48

Praias e spas

Compartilhe: Twitter

Duas matérias de turismo que o site do London Times destaca hoje em sua página principal: as melhores praias da Sardenha e cinco spas para homens em Londres (foto).

Autor: - Categoria(s): Turismo Tags:
29/05/2008 - 07:14

“Ausência de Malícia”, Pollack e o jornalismo

Compartilhe: Twitter

Nas merecidas homenagens dos jornais ao diretor Sidney Pollack, que morreu esta semana, um filme foi esquecido: “Ausência de Malícia“, de 1981, que certamente merece ser visto ou revisto. O filme é particularmente interessante para quem gosta de jornalismo e acompanha sempre o noticiário. A sinopse é mais ou menos esta: “um executivo honesto, mas membro de uma família de mafiosos, vê sua reputação ser colocada em xeque por um jornal, que publica uma reportagem acusando-o de um crime. Ajudado pela jornalista que escreveu o texto, ele começa uma investigação para descobrir a verdade”. A discussão que o filme coloca é bem atual: a manipulação dos jornalistas – mesmo os mais sérios – pelas suas fontes de informação. No elenco, Paul Newman e Sally Field. Neste link, a crítica publicada pelo New York Times em novembro de 1981 (é grátis, mas pede cadastro). Aqui, um trecho do filme. Aqui, o trailer.

Autor: - Categoria(s): Cinema, Jornalismo Tags:
29/05/2008 - 07:03

“São Vicente e o Santos de Pelé”

Compartilhe: Twitter

Sugestão de leitura (especialmente para que tem uma relação afetiva com o futebol): o texto “São Vicente e o Santos de Pelé“, de José Miguel Wisnik, publicado pela Piauí. “Ter sido exposto à força e à beleza do futebol da Baixada Santista dos anos 50 e 60, como se ele fosse normal, pode ter provocado danos irreversíveis à minha personalidade”, escreve o autor. Outro trecho que destaco é este aqui: “Ao voltar da Copa de 1970, ao lado do seu carro, num posto de gasolina, cercado de populares para os quais comentava um lance da Copa, Pelé foi abordado por meu amigo Wanderley Sanches. Ele teria aberto espaço entre os curiosos e lhe perguntado com naturalidade: ‘Pode me dizer onde fica a rua Djalma Dutra?’ Além do efeito de desconcertante trivialidade, Wanderley, um gênio maliciosamente (ou deliciosamente) erradio de poeta-filósofo, que aplicava sua metafísica originalíssima ao exame das circunstâncias, queria conferir, segundo ele mesmo, se aquela cabeça vista por milhões ao fazer o primeiro gol da final contra a Itália continha uma certa ‘informação local’. Se a história é verídica ou inventada por ele, não importa, nem a resposta. Ela se basta como a cifra do que vivíamos ali, e como a antevisão de uma experiência nova que mal se prefigurava – o primeiro espasmo da localidade com a globalidade planetária.” Por falar em Jose Miguel Wisnik, ele e a jornalista Patrícia Palumbo discutem hoje (19h), no Centro Cultural Alumni, em São Paulo, a nova linguagem da MPB.

Autor: - Categoria(s): Esportes, Jornalismo Tags:
29/05/2008 - 06:51

Colunas do Castello na web

Compartilhe: Twitter

Saiu no Jornalistas & Cia: “No próximo domingo (1º/6), data do 15º aniversário da morte de Carlos Castello Branco [foto], estará disponível na web, no endereço www.carloscastellobranco.com.br, a íntegra da sua histórica coluna, que foi leitura obrigatória por mais de três décadas na tradicional página 2 do Jornal do Brasil. São, no total, 7.849 colunas, escritas do início da década de 1960 ao começo dos anos 1990, consideradas referência obrigatória para pesquisadores, jornalistas, estudantes e políticos. Elas podem ser acessadas por um sistema de busca avançada, tanto em ordem cronológica quanto por palavra- chave.”.

Autor: - Categoria(s): Jornalismo Tags:
Voltar ao topo