Publicidade

Publicidade

Arquivo de março, 2008

31/03/2008 - 08:38

A minha é mais comprida do que a sua

Compartilhe: Twitter

Vale a pena ler o ensaio de Michael Kinsley publicado na New Yorker desta semana, que chegou às bancas hoje. É uma reflexão sobre a vida (e a morte), usando como tema central a nossa obsessão, se é que posso chamar assim, pela longevidade. O título é ótimo “Mine is longer than yours“, uma referência do autor à única competição que realmente vale na vida — e uma brincadeira com o consumismo competitivo do mundo contemporâneo. O texto é longo, mas vale a pena gastar um tempo (ainda mais se considerarmos que custa um clique). Deixo dois parágrafos:

“What’s more, of all the gifts that life and luck can bestow—money, good looks, love, power—longevity is the one that people seem least reluctant to brag about (nota: to brag = vangloriar-se). In fact, they routinely claim it as some sort of virtue—as if living to ninety were primarily the result of hard work or prayer, rather than good genes and never getting run over by a truck. Maybe the possibility that the truck is on your agenda for later this morning makes the bragging acceptable. The longevity game is one that really isn’t over till it’s over.

Between what your parents gave you to start with—genetically or culturally or financially—and pure luck, you play a small role in determining how long you live. And even if you add a few years through your own initiative, by doing all the right things in terms of diet, exercise, sleep, vitamins, and so on, why is that to your moral credit? Extending your own life expectancy is the most selfish motive imaginable for doing anything. Do it, by all means. I do. But for heaven’s sake don’t take a bow and expect applause.”

Autor: - Categoria(s): Comportamento, cultura, sociedade Tags:
31/03/2008 - 07:07

Al Jaffee e a "ridícula dobradinha da Mad"

Compartilhe: Twitter

O meu momento proustiano do fim de semana veio durante a leitura de uma reportagem sobre Al Jaffee, ilustrador da revista Mad. Desde abril de 1964 ele é o responsável pela seção que fica na parte de dentro da contra-capa da publicação, aquela em que a resposta a uma pergunta aparece ao dobrarmos a página unindo dois pontos (conhecida como “Mad fold-in”, no original, e “Mais uma rídicula dobradinha da Mad”, no Brasil). Jaffee continua desenhando, aos 87 anos. A matéria é muito boa, principalmente para quem foi leitor da revista na adolescência. Mas o melhor de tudo é esta galeria multimídia criada pelo New York Times, com 23 “fold-ins” desenhados por ele ao longo da história da revista. O mais incrível é que a ferramenta permite que você dobre usando o mouse. Vale dar uma olhada. Na semana passada, noticiou-se a volta da versão brasileira da revista, que estava fora das bancas desde 2006.

Autor: - Categoria(s): humor, ilustração Tags:
31/03/2008 - 06:59

O segredo da Apple

Compartilhe: Twitter

Vale a pena ler a matéria de capa da edição de abril da Wired: “Evil/Genius — How Apple wins breaking all the rules“. Um trecho: “Apple’s successes in the years since Jobs’ return — iMac, iPod, iPhone — suggest an alternate vision to the worker-is-always-right school of management. In Cupertino, innovation doesn’t come from coddling employees and collecting whatever froth rises to the surface; it is the product of an intense, hard-fought process, where people’s feelings are irrelevant. Some management theorists are coming around to Apple’s way of thinking. ‘A certain type of forcefulness and perseverance is sometimes helpful when tackling large, intractable problems,’ says Roderick Kramer, a social psychologist at Stanford who wrote an appreciation of ‘great intimidators’ — including Jobs — for the February 2006 Harvard Business Review.”

Autor: - Categoria(s): negócios, Tecnologia Tags:
31/03/2008 - 06:49

O jogo mais difícil do mundo

Compartilhe: Twitter

Um jogo para um momento de ócio. Na verdade, é “o jogo mais difícil do mundo“. Tente.

Autor: - Categoria(s): games Tags:
31/03/2008 - 06:39

Um relógio

Compartilhe: Twitter

Este relógio, o Tibida (de “time”, “binary” e “date”), bem geek e bem estiloso, eu peguei na última Wired. O fabricante é japonês. Custa 140 dólares.
Autor: - Categoria(s): Moda, Tecnologia Tags:
31/03/2008 - 06:34

Os perdedores

Compartilhe: Twitter

Muito bem sacada esta reportagem do Guardian, “The white house losers“. No calor da disputa presidencial entre Hillary e Obama (falando apenas do lado democrata, claro), o jornal foi atrás das histórias dos candidatos perdedores do passado: “What is it like to devote two hard years to running for the White House – and then fail? Ed Pilkington talks to former presidential candidates about the shattering loss, the humiliation and the elite club they call the Misery Circle”.

Autor: - Categoria(s): internacional Tags:
31/03/2008 - 06:24

A arte de sinalizar banheiros

Compartilhe: Twitter

Para você que já ficou na dúvida ao encarar algum criativo sinal de “masculino” ou “feminino” na porta de um banheiro (ostra é masculino?), vale olhar “59 of the coolest toilet signs around the world“. Os das fotos acima estão no Siam Center, em Bangcoc. Bem-humorados.
Autor: - Categoria(s): Design Tags:
31/03/2008 - 06:19

O MC Hammer chinês

Compartilhe: Twitter

Um vídeo de um chinês dublando o MC Hammer. Repare na mulher tricotando no sofá. Deve ser a mãe do cara. Assista.

Autor: - Categoria(s): internet, Música Tags:
31/03/2008 - 06:14

Um navegador da nova geração

Compartilhe: Twitter

Walter S. Mossberg, que escreve uma coluna sobre tecnologia no Wall Street Journal, menciona em seu mais recente texto um novo sistema de navegação para automóveis que acaba de chegar ao mercado, o Dash Express. Ele diz que pode “revolucionar” o negócio. Mossberg explica como funciona: “this $400 product looks a lot like units from better-known firms (…) Like them, it uses GPS satellite signals to locate your car on an easily seen map, and to route you to destinations and places of interest, using both visual and spoken instructions. But, unlike any other in-car navigation device I’ve seen, each Dash Express (…) becomes part of a network, connected to the company via the Internet. Each device not only receives and displays information, but transmits it as well, acting as a “probe,” as Dash calls it, to measure local traffic speeds. This information is compiled by the company and then broadcast back to all other Dash units in your area, almost instantly painting streets on your map with color codes to indicate traffic speeds.”

Autor: - Categoria(s): carros, Tecnologia Tags:
31/03/2008 - 06:09

Uma música

Compartilhe: Twitter

Uma música para começar a segunda-feira: “Meds“, do Placebo. Gosto do refrão: “Baby, did you forget to take your meds?”. E o clipe é ótimo.

Autor: - Categoria(s): Música Tags:
Voltar ao topo